Lições de dezembro de 2021 – A Perspectiva de um Estudante

Eu sou culpado de as vezes me comparar às outras pessoas. A comparação tende a ser relacionada ao sucesso pessoal ou ao sucesso no campo de trabalho da outra pessoa, suas posses mundanas, sua vida familiar, autoestima, disciplina, etc. Eu encontro qualidades nos outros que acho que não possuo e, então, estranhamente, reajo negativamente comigo mesmo por conta disso.

Não é tanto o mecanismo de comparação que é o problema, mas seu conteúdo. Toda ferramenta que nos ajuda a conhecer mais sobre nós mesmos tem capacidade para o bem ou para o mal. Qual de suas natureza sobrevive está nas mãos da pessoa que empunha a ferramenta, o que significa que se você sabe usá-la corretamente, ela poderá te ajudar a evoluir.

Meu hábito de comparar-me gera nenhum fruto no meu trabalho. A única coisa que faz é ajudar a identificação e a cristalização dentro de um certo traço. Mas em escola estamos trabalhando na outra direção, e o mecanismo de comparação pode ser útil se trabalharmos nele, também na outra direção. O único indivíduo que deveríamos comparar-nos é a nós mesmos. Esta é a maneira correta de usar essa ferramenta, pois agora ela facilita o trabalho, ao invés de agravar a negatividade.

Se hoje sou melhor do que ontem, e amanhã melhor que hoje, então estou evoluindo.

O problema é que as vezes fico tão preocupado em me livrar de certos pensamentos e emoções negativas, ou de certo modo que faço ou digo coisas, ou de um certo maneirismo, que me esqueço de dar um passo para trás e ver o quão longe eu cheguei. Olhar para trás é tão importante quanto olhar para frente. Isso ajuda a colocar as coisas sob perspectiva, ajuda a entender o que eu fiz para que eu saiba o que fazer. Tirar algumas horas no final da semana e refletir sobre a semana que passou, um dia ou dois no final do mês, algumas semanas no final do ano. Nós todos estipulamos objetivos, trabalhamos para algo, focamos nossas energias. Tomar um tempo para então ver como estamos evoluindo é igualmente importante quanto trabalhar para evoluir.

Se estou comparando a mim mesmo com outras pessoas, então é um sinal certo de que não estou refletindo sobre meus esforços. Essa linha de pensamento apenas ajuda a me encher de negatividade e abafar meus esforços. Mas se estou comparando-me a quem eu era, então estou usando essa ferramenta corretamente.

“Aprenda a ver mais e mais. Procure no seu passado, em toda sua vida… Sempre veja mais os seus erros e conserte-os.”
Gurdjieff