Dezembro de 2020

O grande objetivo do nosso trabalho é estar permanentemente consciente ao invés de viver nossas vidas dormindo. Durante a primeira semana de dezembro, foi pedido aos estudantes que encontrassem uma área recorrente nas suas vidas que eles geralmente realizam no piloto automático, e fazer um esforço extra para lançar luz sobre ela. Quando a tarefa começa? Como ela induz ao sono? E de que formas posso recrutar mais atenção na sua execução? Ao enfrentar tarefas tão pequenas e recorrentes, nós avançamos em direção ao nosso objetivo maior de lembrar de nós mesmos sempre e em todos os lugares.

Construindo sobre essas novas áreas de dificuldade expostas, nós passamos a estudar os motivos por trás do seu desafio. Todas as nossas ações, sem exceção, são executadas por um ou mais dos nossos centros inferiores: a mente, o coração, o corpo e suas subsequentes subdivisões. Entender a parte que executa a atividade abre a possibilidade de executá-la com mais consciência. Para o segundo workshop de dezembro, uma parte específica foi atribuída aos estudantes. Foi-lhes pedido para que observassem aquela parte no decorrer da semana e então apresentassem as suas observações para o resto da comunidade.

O terceiro workshop de dezembro convidou perguntas em torno das duas últimas lições. O quarto workshop deu um vislumbre no trabalho de janeiro de definir uma meta. O que queremos desse trabalho? Emprestando da analogia do cultivo interior, um fazendeiro precisa ter em mente metas claras antes de pisar na sua terra. Eles sabem que colheitas não podem acontecer por acidente e devem ajustar os seus esforços conformemente. O mesmo conosco: quanto melhor soubermos o que queremos desse trabalho mais inteligente e diligentemente nós iremos trabalhar para realizá-lo.

Que todos tenhamos um frutífero 2021!

Um homem sozinho não consegue se ver. Mas quando um certo número de pessoas se unem para este fim, elas até mesmo involuntariamente se ajudam umas às outras.
Gurdjieff